[google-translator]

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO
BOTÂNICA

Menu

Objetivos

Proposta

OBJETIVOS
O principal objetivo do Programa de Pós-Graduação em Botânica da UFPR tem sido historicamente de formar profissionais que possam atuar tanto no âmbito acadêmico (Institutos de Pesquisa e/ou Universidades), quanto no magistério superior e no ensino médio, seja em instituições públicas ou privadas que necessitem de conhecimentos básicos e amplos em Botânica.
Desde sua inauguração, em 1979, nosso programa tem investido na produção do conhecimento sistemático sobre a flora e os recursos vegetais, com ênfase na biodiversidade regional; no emprego de reguladores vegetais em biotecnologia e propagação vegetativa de espécies ameaçadas ou com potencial econômico; no estudo da variação da estrutura e desenvolvimento vegetal frente às condições ambientais e como instrumento para análises filogenéticas, desenvolvimento de modelos que contribuam para a manutenção e conservação dos ecossistemas regionais e, mais recentemente estudos moleculares voltados para os estudos de filogenia e genética da conservação de plantas.

MUDANÇAS RECENTES
O PPGBOT/UFPR, desde a sua última avaliação trienal, tem passado por uma reformulação com o objetivo de atingir novamente o conceito 4 da CAPES, estando atento às recomendações dos avaliadores em visita ao programa.
Deste modo, a reestruturação do programa se baseou na reorganização do Núcleo Permanente (NP), na redefinição das linhas de pesquisa e nas regras para credenciamento de professores.
O Colegiado foi ampliado para todo o Núcleo Permanente, como recomendado pelo coordenador de Área de Biodiversidade da CAPES.
Houve também a aplicação de estratégias motivadoras do incremento qualitativo e quantitativo do programa como um todo.
Entre estas ações podemos destacar que atualmente o programa solicita que orientadores escolham apenas pesquisadores de cursos com nota acima de 4 (Conceito CAPES) para a indicação das bancas. Atualmente há também um direcionamento do uso de recurso financeiro diretamente para tradução de manuscritos para a língua inglesa e para a impressão de pôsteres a serem apresentados em congressos.
Em relação à divulgação ampla do programa, a coordenação fez a atualização do site, treinou a nova secretária do curso que mantém em dia a comunicação com os alunos pelo site () e também pela criação de página no Facebook (Pgbotanica Ufpr), facilitando a divulgação eletrônica do curso.
Atento à importância de divulgar os resultados dos estudos realizados pelo nosso programa à sociedade tanto acadêmica, quanto do entorno da Universidade, ampliamos a divulgação de nosso Seminário de Botânica que ocorre pelo terceiro ano consecutivo.
O Seminário ocorre sempre ao final do ano, na forma de palestras de cada uma das nossas áreas de pesquisa ao longo de 2-3 dias, apresentações de pôsteres e visita guiada aos laboratórios de pesquisa.
O principal objetivo é o de divulgar todos os trabalhos apresentados ao longo do ano em diversos congressos para a comunidade acadêmica e do entorno da Universidade com palestras e seção de pôsteres.
Na palestra inaugural dos seminários, o coordenador apresenta em detalhes o programa, suas linhas de pesquisa, laboratórios e docentes do programa com seus respectivos projetos de pesquisa.
Os palestrantes são na maioria nossos alunos do segundo ano de curso de mestrado, oferecendo uma oportunidade tanto de divulgação dos resultados preliminares de suas dissertações, ou de apresentações sobre sínteses de assuntos relacionados ao seu tema de pesquisa, mas também um treinamento para que nossos discentes apresentarem publicamente palestras, incentivando a realização das mesmas em congressos da área.
Além dos discentes e docentes do programa, são convidados docentes de outros programas de pós-graduação no Estado (ex UEPG, UNIOESTE), aumentando o intercâmbio de informação e de estudantes entre estas instituições de ensino.
Ao final de cada dia de palestra, há uma seção de pôsteres com a exibição da produção do ano em diversos congressos pelos nossos discentes e docentes e a visita monitorada por nossos alunos aos laboratórios de pesquisa.

ESTABELECIMENTO DE PARCERIAS
A coordenação do programa tem atuado ativamente procurando estabelecer novas parcerias entre seus membros e com isso incrementar sua produção intelectual, por exemplo, estimulando os projetos interdisciplinares e a busca de recursos nas diversas fontes financiadoras. Além disso, a coordenação tem estimulado os docentes a propor projetos conjuntos com outras instituições.
Esse esforço resultou em um projeto aprovado recentemente no edital PNADB – 17/2009-2014-CAPES, com nosso programa proponente de uma parceria com o IBT-SP e a UNICAMP, os quais são cursos avaliados com conceito 4 e 6, respectivamente, segundo os critérios CAPES. Tal projeto, com R$ 480.000,00 captados, esta provendo o aumento no número de bolsas nas três instituições, seis delas para os nossos alunos de mestrado, e recursos destinados ao intercâmbio de alunos e cooperação em orientação e em disciplinas formativas.
Vários outros projetos interinstitucionais recebem financiamento, com participação dos nossos docentes:

Parcerias Nacionais em andamento:

1. Estudos taxonômicos, filogenéticos, anatômicos e histoquímicos de Orchidaceae e Melastomataceae, com ênfase nas regiões sul e sudeste do Brasil. PNADB – 17/2009-CAPES. Parceiros: IBT-SP, UNICAMP. Financiador(es): CAPES. Valor financiado: R$ 480.000,00
2. INCT – Herbário Virtual da Flora e Fungos (Pernambuco). Financiamento: CNPq.
3. Biofábricas Integradas à Agricultura Familiar. Parceiros: Embrapas. Desenvolvimento de técnicas de análise estrutural e farmacológica de produtos naturais obtidos de plantas medicinais utilizadas no Brasil. Aprovado pelo programa CAPES/PNPD 2009.
4. Rede Brasileira de Identificação Molecular de Plantas (MCT/CNPq/FNDCT Nº5 50/2010 – Identificação Molecular da Biodiversidade). Parceiros: CENARGEN. Financiador(es): CNPq.
5. Filogenia molecular de Catasetum L.C.Rich. ex Kunth (Orchidaceae). Parceiros: UFMT, UFPR. (1 IC, 1 doutorado).
6. Biossistemática, fitogeografia e conservação de espécies de campo rupestre e caatinga do Sudeste e Nordeste brasileiro, com ênfase nas famílias Orchidaceae e Velloziaceae”. Parceiros: UFMG, UEFS. Financiador(es): CNPq e FAPEMIG.
7. “Biossistemática, taxonomia, filogenia, filogeografia, biologia reprodutiva, variabilidade genética e coleções biológicas de espécies do Sudeste brasileiro, com ênfase nas famílias Orchidaceae, Velloziaceae, Myrtaceae, Solanaceae e Thelypteridaceae”. Parceiros: UFMG, UEFS. Financiador(es): CNPq.
8. Avaliação da tolerância à contaminação por hidrocarboneto e do potencial de fitorremediação de espécies nativas de Fabaceae (Leguminosae). Parceiro: UEM. Financiador(es): Fundação Araucária-Universal (2012-2014). Valor financiado: $ 27.218,95
9. Estrutura e dinâmica celular na formação do aerênquima. Parceiro: UFRGS. Financiador(es): CNPQ-Universal (2013-1015). Valor financiado: R$ 30.000,00.
10. Título do projeto: Inventário florístico de macrófitas e diatomáceas associadas e seleção de potenciais bioindicadores do nível trófico de reservatórios da Bacia do Rio Iguaçu. Parceiro: UFRGS. Araucária-Universal (2012-2014). Valor financiado: R$ 30.000,00.

Parcerias internacionais em andamento:
1. Projeto: PBI: A complete web-based monograph of the tribe Miconieae (Melastomataceae). Parceiros: New York Botanical Garden. Financiamento: National Science Foundation (NSF-EUA).
2. Projeto: Phylogenetic studies on Miconieae (Melastomataceae). Parceiros: New York Botanical Garden. Financiamento: National Science Foundation (NSF-EUA).
3. Projeto: MelList, a complete taxonomy of Melastomataceae (ECAT/GBIF) Botanische Staatssammlung Munchen, Alemanha. Parceiros: New York Botanical Garden. Financiamento: GBIF (Global Biodiversity Information Facility).
4. Projeto: Sistemática e Filogenia do Clado Ornithocephalus (Orchidaceae: Oncidiinae). Parceiros: Marie Selby Botanical Garden (MSBG Flórida, EUA), Florida University (Flórida, EUA), Kew Gardens (Inglaterra).
5. Projeto: Sistemática e Filogenia da Subtribo Pleurothallidinae (Orchidaceae) com Ênfase às Espécies Brasileiras Parceiros: Marie Selby Botanical Gardens (MSBG Flórida, EUA), Missouri Botanical Garden (MOBOT), Florida University (Flórida, EUA).
6. Projeto: Molecular Phylogeny of Tropical Ferns and Lycophytes. Parceiros: University of Illinois, New York Botanical Garden.
7. Projeto: Phylogeny and character evolution in the genera Polybotrya, Cyclodium, Maxonia , and Arachniodes (Dryopteridaceae). Parceiros: University of Illinois, New York Botanical Garden.
8. Projeto: Filogenia combinada da tribo Cereeae (Cactaceae) baseada em caracteres anatômicos, morfológicos e moleculares. Parceiros: Universidad Nacional Autónoma de Mexico.

Em 2012 o programa fez pequenos ajustes nas suas linhas de pesquisa, como segue:
Área I. Taxonomia e Diversidade:
Linha 1. Taxonomia, biologia, ecologia e diversidade de plantas vasculares
Linha 2. Taxonomia, biologia e diversidade de algas, liquens e fungos
Linha 3. Sistemática e Ecologia Molecular de Plantas

Área II. Estrutura e Fisiologia do Desenvolvimento Vegetal:
Linha 1. Morfologia e a natomia vegetal
Linha 2. Aplicações dos reguladores e carboidratos vegetais em biotecnologia vegetal

Temos procurado obter um equilíbrio tanto em número de docentes como em número de orientandos entre as duas áreas de concentração do programa. Em 2010 foram 08 alunos na área de Taxonomia e Diversidade e 09 em Estrutura e Fisiologia do Desenvolvimento Vegetal. Em   2011 entraram 12 alunos na Taxonomia e Diversidade e 07 em Estrutura e Fisiologia do Desenvolvimento Vegetal. Em 2012 entraram 16 alunos, sendo 12 na Taxonomia e Diversidade e 4 em Estrutura e Fisiologia do Desenvolvimento Vegetal. Estamos cientes que a área de Estrutura e fisiologia ainda atrai menor número de alunos. Com o propósito de equilibrar as duas áreas, temos tentado atrair pesquisadores da área, com previsão de um credenciamento já em 2013. Além disso, temos cobrado medidas do Departamento quanto à seleção de novos professores voltados para a pesquisa e maior participação dos docentes com DE.
O direcionamento do número de vagas por orientador é baseado nessa premissa, e numa distribuição homogênea dentre os professores do NP. Fechamos o triênio com 87% do NP tendo no mínimo 2 orientados. Nos últimos anos houve um grande esforço por parte do corpo docente em aumentar a quantidade e qualidade das publicações, em incluir os alunos nas publicações e estimular que os artigos oriundos das dissertações sejam publicados logo após a defesa. Nesse esforço para voltar ao nível 4, o colegiado tem sido rígido no credenciamento de professores e adotou como regra de credenciamento os critérios definidos pela CAPES no estabelecimento de curso com conceito superior ao vigente no PPGBOT, para os docentes do NP, e no estabelecimento de curso com conceito igual ou superior ao vigente no PPGBOT, para os demais professores colaboradores (Norma interna 03/2010 disponível em http://www.ppgbotanica.ufpr.br/arquivos). Portanto, tem sido cobrada uma produção mínima no triênio de três artigos enquadrados no qualis como B2, sendo que o recredenciamento dos professores só ocorrerá com a publicação, por parte do docente, de pelo menos um artigo com discente. Neste esforço em manter um grupo de professores com boa publicação e orientação, nosso NP passou de 13 docentes em 2010 para 15 em 2012 e o NC passou de quatro docentes para cinco em 2012, sendo que um professor foi descredenciado. Prevemos ainda pelo menos um novo credenciamento para 2013.
O corpo docente atual é relativamente novo, com vários dos seus professores com menos de 10 anos de doutorado, em função da constante renovação do quadro de docentes do Departamento de Botânica da UFPR. No triênio 2010-2012 foram credenciados cinco novos professores: Lucimara Mach Côrtes Cordeiro (2010) – bioquímica de líquens e carboidratos, Vagner Gularte Cortez (2011) – taxonomia de fungos, para dar maior suporte a área de líquens e fungos. A professora Lucimara está alocada no Departamento de Bioquímica da UFPR e o professor Vagner no Campus Palotina/UFPR. Em 2012 houve o credenciamento de mais três docentes, Marcia Mendes Marques, Isabela galarda Vassin e Lívia Godinho Temponi, sendo as duas primeiras do Departamento de Botânica e área de Ecologia e a última da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. A possibilidade de credenciamento de mais um professor do Oeste do Paraná trará a possibilidade de expandir a atuação do nosso programa para aquela região do Estado. Com o credenciamento do professor Vagner, abrimos a possibilidade de atrair alunos de todo o Brasil, uma vez que essa área de pesquisa ainda é carente de pesquisadores. Estamos atentos para que o número de professores aumente em conjunto com a ampliação do quadro de discentes.
No que se refere à capacitação do corpo docente, o programa mantém o contínuo incentivo de afastamento dos docentes para o estágio de pós-doutoramento. Em 2011 o professor Paulo E. Labiak retornou do afastamento onde esteve por um ano no New York Botanical Garden, nos EUA, desenvolvendo o projeto Filogenia e Revisão Taxonômica de Lellingeria (Polypodiaceae). Em 2012 o professor Renato Goldenberg (Smithsonian Institution) e a professora Isabela Galarda Varassin (University of Maryland at College Park.) estão realizando pós-doutorado até o meio do ano de 2013 com o apoio da CAPES.
Muitos destes docentes têm aprovado recentemente projetos de pesquisa com recursos financeiros investidos na ampliação dos laboratórios já existentes, e na criação de novas unidades de pesquisa no Departamento de Botânica. A exemplo, o Laboratório de Filogenia e Genética da Conservação de Plantas, no qual os alunos do nosso programa dispõem da estrutura necessária para a condução de pesquisas relacionadas às suas dissertações. Tais investimentos têm permitido um expressivo salto na qualidade e na abordagem dos diferentes temas da botânica, particularmente dos estudos em sistemática e ecologia molecular. Paralelamente à instalação dos laboratórios de pesquisa, houve reestruturações da infra-estrutura de ensino e apoio aos pós-graduandos, principalmente, com a reforma do laboratório de aula prática e a reorganização da sala dos alunos e secretaria, com atualização e ampliação significativa dos equipamentos de informática e dos pontos de internet. Para isso, o programa utilizou verbas dos programas de apoio da UFPR à Pós-Graduação (FDA), REUNI, e projetos individuais de pesquisa dos professores. A reestruturação da sala de alunos visa atender a um maior número de alunos e permitir que estes desenvolvam seus estudos na própria universidade e mais próximos aos laboratórios e aos seus orientadores. Conseguimos manter o número de alunos na última seleção (15), abrindo dois processos seletivos no ano de 2012 e pretendemos continuar com essa política para ampliar ainda mais o quadro discente.
Em 2010 foi feito um reajuste curricular com novas disciplinas e atualização ou exclusão de disciplinas que se encontravam fora do contexto do curso. Com isso houve um ajuste dos créditos, sendo padronizadas 15 horas aula para cada crédito. A partir desse reajuste o programa passou a exigir do aluno o cumprimento de 24 créditos dentro de um elenco duas disciplinas obrigatórias e cerca de 40 optativas, oferecidas, em sua maioria, com regularidade anual ou bianual. Os alunos têm obrigatoriedade de cumprir 16 créditos em disciplinas do programa, podendo complementar os créditos com disciplinas cursadas em outros programas e por publicação de artigo científico.
O público estudantil que tem procurado nosso programa inclui candidatos da própria instituição, de outras instituições do ensino superior de Curitiba e do interior do Estado, tendo sido a mais importante alternativa para a capacitação no nível de pós-graduação de profissionais na área de Botânica no Estado. Candidatos de outros estados (Goiás, Bahia, São Paulo, Santa Catarina e Acre) também têm demonstrado interesse pelo programa. Nos últimos anos o aumento da procura por alunos oriundos de outras instituições deve-se principalmente a política de divulgação adotada: rede de email; distribuição de cartazes e panfletos enviados a outras instituições no Paraná e em outros Estados do Brasil; divulgação em eventos científicos, além da atualização da página eletrônica do programa, facebook e utilização de blogs por iniciativa dos discentes (http://www.botanicaufpr.blogspot.com/).
Certos de que os primeiros passos para a consolidação de um programa de pós-graduação de alta qualidade foram dados, do nosso planejamento para o triênio foram atingidas as seguintes metas:
-Ampliamos o número de discentes e número de bolsistas no programa (meta cumprida em 2011 com 36 alunos matriculados e todos com bolsa e em 2012, 34 alunos matriculados e com bolsa);
-Consolidamos uma nova linha de pesquisa em Sistemática e Ecologia Molecular de Plantas, que conta hoje com vários docentes e discentes, com a primeira defesa em 2011, uma em 2012 e três para 2013;
-Incrementamos em número e em qualidade a publicação discente e docente;
-Ampliamos o Núcleo Permanente de professores de 13 em 2010 para 15 em 2012, bem como o de colaboradores que passou de quatro para cinco, com um descredenciamento e dois novos credenciamentos;
-Houve um esforço na modernização e ampliação do quadro de disciplinas com tópicos atuais em sistemática, filogenia, anatomia e fisiologia, que foram ministradas por professores externos ao programa;
-O fortalecimento da área de Estrutura e Fisiologia do Desenvolvimento Vegetal foi feito com a participação de um pós-doc e de professores externos ao programa que ministraram disciplinas ou co-orientam alunos de mestrado; pelo menos um credenciamento está previsto para 2013.
Como metas para o próximo triênio pretendemos melhorar as metas já cumpridas, focando especialmente na qualidade da publicação discente e fortalecimento da área de Estrutura e fisiologia. Em atingindo o conceito 4 da Capes pretendemos solicitar a implantação do primeiro curso de Doutorado em Botânica do Estado do Paraná.
No esforço para atingir as metas propostas, o início do triênio 2010/2012 é marcado pelo ajuste das linhas de pesquisa com apoio dos novos professores, com a criação da linha de pesquisa em Sistemática e Ecologia Molecular de Plantas. Esta linha de pesquisa, que estuda a sistemática através de caracteres morfológicos e moleculares e investiga eventos ecológicos, evolutivos e biogeográficos a partir do emprego de diferentes marcadores moleculares, envolve a participação conjunta entre taxonomistas, filogeneticistas, anatomistas e ecólogos, totalizando cinco dos nossos docentes que atuam diretamente nesta área. Tais abordagens têm sido possíveis, apenas, a partir de um diálogo consonante de especialistas em ecologia e sistemática molecular com taxonomistas experientes no reconhecimento dos problemas de identificação e histórico de grupos vegetais de interesse. Neste contexto, a multidisciplinaridade, que caracteriza esta nova linha de pesquisa, que se encontra em franca expansão no ambiente acadêmico nos principais institutos de ensino e de pesquisa botânica ao redor do mundo, encontra ambiente fértil entre nosso grupo de trabalho.
De modo a incrementar a formação do corpo discente com assuntos atuais, e fazer com que ferramentas técnicas e computacionais tornem-se recursos de uso cotidiano entre os alunos, promovemos a reformulação do quadro de disciplinas no primeiro semestre de 2010. Neste sentido promovemos a exclusão de algumas e criação de pelo menos 11 disciplinas novas, dentre elas: Origem e diversificação de grupos Basais de Angiospermas; Origem e diversificação de Monocotiledôneas; Origem e diversificação de Eudicotiledôneas; Biossistemática; Ecologia evolutiva de plantas; Filogenia de plantas através de caracteres morfológicos; Ferramentas espaciais para estudos de diversidade em plantas; Introdução às técnicas moleculares I: extração de DNA vegetal; Introdução às técnicas moleculares II: PCR e marcadores moleculares; Métodos e técnicas para estudo em anatomia vegetal; Técnicas e análise em microscopia eletrônica; Relações água planta e metabolismo no vegetal; Estrutura dos tecidos e órgãos vegetativos. Todas as disciplinas foram revistas e atualizadas quanto às ementas e bibliografia.
O ano de 2012 iniciou com o descredenciamento de um professor, Valéria Cunha Muschner, por baixa produção, e credenciamento de três novos professores: Márcia Mendes Marques –com atividades de pesquisa voltadas às áreas de Ecologia Aplicada (Ecologia da restauração, Conservação de Plantas) e Ecologia de Ecossistemas (Diversidade e dinâmica de comunidades florestais, fitogeografia), especialmente na Floresta Atlântica, e Isabela Galarda Varassin –com experiência na área de biologia reprodutiva, com ênfase em ecologia da polinização – ambas do Departamento de Botânica da UFPR e Lívia Godinho Tempoini -com em experiência em sistemática de fanerógamas, atuando principalmente em florística, filogenia e fitossociologia. Especialista em
Anthurium e outros gêneros de Araceae – professora da UNIOESTE.
Estamos prevendo para 2013 o reforço para a linha de pesquisa em
Morfologia e a natomia vegetal, pela professora Dra. Erika Amano e pela contratação de um novo professor pelo Departamento. Os professores credenciados nessa área também têm abraçado recentemente estudos anatômicos para uso na filogenia de Orchidaceae, Melastomataceae e Cactaceae, tendo projetos aprovados com financiamento e perspectivas de publicações futuras de melhor qualidade.
Dentro da área de fisiologia obtivemos a colaboração constante do Professor Dr. Gedir de Oliveira Santos trazendo uma abordagem ecológica e aplicada, onde a coordenação vem incentivando os docentes da área a melhorar a infra-estrutura do Laboratório de Fisiologia Vegetal. Estamos cientes que essa é linha mais frágil do programa e que precisa ser incrementeda, especialmente quanto à participação de novos docentes e atração de alunos.
Certos de que todas as ações adotadas no triênio perdurarão e trarão a consolidação do nosso Programa de Pós-Graduação como uma unidade formadora de recursos humanos e desenvolvedora de pesquisa científica de qualidade, esperamos atingir o nível 4 da Capes e num futuro próximo implantar um curso de Doutorado em Botânica na UFPR. O que, acreditamos, daria um salto na produção bibliográfica com discentes do programa.

d

Perfil do Egresso

Histórico e Justificativa

Disponibilizado via SIGA UFPR

Universidade Federal do Paraná
BOTÂNICA
CENTRO POLITECNICO
Jardim das Américas - Curitiba
Telefone:(41) 3361-1625
E-mail: pgbotanica.ufpr@gmail.com

Universidade Federal do Paraná
BOTÂNICA
CENTRO POLITECNICO
Jardim das Américas - Curitiba
Telefone:(41) 3361-1625
E-mail: pgbotanica.ufpr@gmail.com

Imagem logomarca da UFPR

©2021 - Universidade Federal do Paraná - BOTÂNICA

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação