Menu

Histórico e Contextualização

Apresentação

 

O Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná, desde a avaliação quadrienal de 2013-2016, é um Programa nota 6. Além de poder contar com um corpo docente experiente (96% dos docentes permanentes são orientadores de mestrado e doutorado, dos quais 71% com mais de uma década de atividade contínua na pós-graduação), de pesquisadores qualificados (38% dos docentes permanentes são bolsistas de agências de fomento: 16 do CNPq ? 05 deles PQ1 ? e 02 da Fundação Araucária) e em constante atualização (91,7% dos docentes permanentes realizaram pelo menos um estágio pós-doutoral), o Programa também se distingue pela amplitude, inserção e diversidade de suas ações. Entre estas, destacam-se: a consolidação do alto nível de internacionalização alcançado ao longo da última década (03 mestrados bilaterais, 04 programas de cotutela de doutorado e vários projetos de cooperação internacional) e a ampliação do leque de ações de inserção e solidariedade no contexto regional e nacional, a exemplo do DINTER 2014-2019 (com a UTFPR de Campo Mourão-PR), do projeto LETRAS EM TRÂNSITO (com a UNICENTRO de Guarapuava-PR, a UFFS de Chapecó-SC, a UTFPR de Curitiba, a UNILA de Foz do Iguaçu-PR e a UEPG de Ponta Grossa-PR) e do programa EMI ? English as a Medium of Instruction (capacitação para a docência em língua inglesa, em modalidade híbrida, ofertada para outros PPGs da UFPR e para as 07 universidades estaduais do Paraná). Merece destaque, igualmente, a crescente capilarização das ações de inserção social em nível local e regional: sob a forma de programas de ensino para educação básica e de formação continuada de professores da rede pública, como o PIBID-CAPES, o Núcleo de Assessoria Pedagógica (NAP) e o Programa de Segunda Licenciatura em Letras Alemão (PARFOR-CAPES); sob a forma de projetos de pesquisa e inclusão social, como o PIBIS (envolvendo alunos surdos da graduação na pesquisa em Libras); e sob a forma de programas de pesquisa e extensão, como o CAPA ? Centro de Assessoria de Publicação Acadêmica (núcleo de pesquisa e apoio à produção, revisão e tradução de textos acadêmicos em língua inglesa, ligado ao programa EMI), o TEL (plataforma de cursos livres para a comunidade acadêmica e não acadêmica) e o PBMIH ? Português Brasileiro para Migração Humanitária (ensino de Português Brasileiro para migrantes refugiados ? sírios, haitianos e venezuelanos ? moradores de Curitiba e região metropolitana), projeto inscrito no âmbito da Cátedra Sérgio Vieira de Mello (UFPR). Destaque-se ainda que, com apoio da Agência da ONU para refugiados (ACNUR), o projeto do PBMIH criou, em 2019, a Revista Ressonâncias: coordenada por discentes e egressos do Programa, a Revista tem o objetivo de disponibilizar e ampliar o acesso a materiais de apoio didático de Português como Língua Adicional e Português como Língua de Acolhimento a comunidades de migrantes estrangeiros em situação de refúgio, acolhida humanitária e em vulnerabilidade social.

 

Em seus 45 anos de existência, o Programa tem contribuído de forma significativa com a pós-Graduação stricto sensu brasileira, tendo atingido nível de excelência na pesquisa, de que resulta sua ampla e qualificada produção bibliográfica (como demonstram os indicadores do Programa), assim como também na formação de mestrandos e doutorandos (1000 titulações no início de 2020). Além de formar pesquisadores de destaque há mais de quatro décadas, que atuam na educação básica, na graduação e na pós-graduação de inúmeras instituições públicas e privadas em todas as regiões do Brasil e no exterior, a qualidade dos trabalhos de conclusão também vem sendo reconhecida por meio de premiações e distinções de mérito recebidas tanto no Brasil, a exemplo dos prêmios CAPES de Tese e ANPOLL de Dissertação (2016) e do prêmio ABRALIC de Tese (Menção honrosa, 2019), quanto no exterior, a exemplo do prêmio da Fundación Maria Paula Alonso de Ruiz Martinez (Espanha, 2019), por dissertação defendida em 2018, e do Prémio Científico Mário Quartin Graça (Portugal, 2019), por tese defendida em 2018. Também os prêmios recebidos por docentes do Programa nos últimos anos são indicadores importantes da qualidade da produção intelectual do PPG-Letras. Além de várias indicações como finalistas dos prêmios mais destacados do Brasil, os docentes do Programa receberam 12 prêmios de projeção nacional entre 2013 e 2019: 03 Prêmios da Biblioteca Nacional (tradução e romance), 03 Prêmios Jabuti (tradução e projeto gráfico), 04 Prêmios da Associação Paulista de Críticos de Arte – APCA (tradução), 01 Prêmio da Academia Brasileira de Letras (tradução) e 01 Prêmio Paraná de Literatura (contos).

 

Estes e outros indicadores, detalhados a seguir, sintetizam movimentos decisivos dos 45 anos de história do PPG-Letras da UFPR (1975-2020), que lograram construir uma condição de maturidade do Programa e inscrevê-lo num lugar de excelência da área de Letras e Linguística, representado especialmente pelo estatuto de referência nacional e internacional da pesquisa e formação em várias de suas áreas de inserção.

 

Histórico e contextualização

 

Fundada 1912, a Universidade Federal do Paraná (UFPR) é a mais antiga universidade brasileira em funcionamento. Hoje com 89 programas de pós-graduação stricto sensu, em 47 das 50 áreas de conhecimento vigentes na CAPES, a UFPR está entre as 5 maiores Instituições Federais de Ensino Superior do Brasil (em número de cursos de pós-graduação stricto sensu em atividade), sendo protagonista na formação de recursos humanos. Com a abertura de seu primeiro programa de pós-graduação remontando ao ano de 1965, a pós-graduação tem uma história de 55 anos na UFPR, da qual o Programa de Pós-Graduação em Letras faz parte há 45 anos, sendo o 3º maior em número de docentes e o 2º maior em número de discentes em toda a instituição, bem como o maior PPG em número de docentes, em número de discentes e em média anual de produção intelectual entre os 11 programas da área de Humanas da UFPR.

 

O PPG-Letras foi criado em 1975, com duas áreas de concentração, Língua Inglesa e Literaturas de Língua Inglesa. Em 1985 foi implantada a área de concentração em Linguística de Língua Portuguesa e, em 1988, a área de concentração em Literatura Brasileira. Em meados dos anos 90, como resultado da avaliação interna do desenvolvimento do PPG-Letras em suas duas primeiras décadas de história, constatou-se que o grande reordenamento do quadro docente, conjugado à necessidade de adaptação a novos modos de articulação dos saberes acadêmicos, demandava uma reorganização substancial do Programa, bem como a abertura de novo nível de pós-graduação. No final dessa década, o Programa foi reestruturado em duas áreas de concentração ? Estudos Linguísticos e Estudos Literários ?, passando por uma revisão das linhas de pesquisa, redefinidas, então, a partir das principais linhas de força da pesquisa e da formação em Letras e Linguística no Programa. Reconfigurado em sua estrutura de organização, o PPG-Letras obteve o credenciamento do doutorado na área de concentração em Estudos Linguísticos em 2000, enquanto a área de concentração em Estudos Literários registrou o primeiro ingresso nesse nível em 2002.

 

No período correspondente às avaliações trienais de 2001-2003 e 2004-2006, o PPG-Letras concentrou seus esforços na consolidação de seu novo modo de organização em duas áreas de concentração e dois níveis de titulação. Procurando enfrentar os problemas identificados tanto em suas avaliações internas quanto nas duas avaliações trienais do período, seu maior desafio consistia na qualificação e na ampliação qualificada de seu corpo docente. Se, em 2001, apenas 17 docentes integravam o então chamado NRD6, ao final de 2006, como resultado dos esforços empenhados para a solução desse problema, o Programa já contava com 27 docentes permanentes, o que, segundo a planilha comparativa da avaliação de 2007, inscrevia o PPG-Letras da UFPR na lista dos 10 maiores programas brasileiros da área em número de docentes.

 

No triênio 2007-2009 o Programa consolidou seu corpo docente permanente em torno de 30 docentes, passando a investir mais centralmente em sua qualificação. Para tanto, o PPG-Letras estabeleceu uma nova política de qualificação do corpo docente, com duas principais frentes: a qualificação em nível de doutorado de docentes que, vinculados aos departamentos de Letras da UFPR, ainda não haviam ingressado no Programa, com vistas a futuros credenciamentos; e a qualificação na forma de estágios de pós-doutorado para docentes já credenciados. O impacto dessa política só começou a ficar evidente cerca de cinco anos mais tarde, entre 2012 e 2013, quando o Programa saltou de 30 para 37 docentes, extrapolando logo em seguida a casa dos 40 docentes permanentes. Também o aumento do número de docentes bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq, nesse triênio, ao saltar de 01 bolsista em 2005 para 06 em 2009, é um indicador dos primeiros resultados concretos dessa política de qualificação docente. Em 2007, o Programa comemorou 30 anos de sua primeira defesa de dissertação de mestrado e realizou a defesa de seu 400º trabalho de conclusão. No segundo semestre desse ano, a avaliação interna do PPG-Letras identificou a necessidade de criação de duas novas linhas de pesquisa, implementadas em 2008: a linha de ?Estudos da Tradução?, na área de concentração em Estudos Literários, para abrigar o que, então, começava a se definir como uma nova linha de força da pesquisa no Programa; e a linha de “Alemão como Língua Estrangeira”, na área de concentração em Estudos Linguísticos, para abrigar o programa de dupla-diplomação do Mestrado Bilateral em Alemão como Língua Estrangeira, com a Universidade de Leipzig, na Alemanha (criado em 2009) ? um marco do processo de internacionalização do PPG-Letras. Em 2008, a avaliação interna do Programa identificou a necessidade de maior adequação às crescentes exigências quanto à regularidade, qualidade e distribuição da produção docente e discente. Entre as diversas ações de enfrentamento dessa questão, três merecem destaque: a revisão e a parametrização tanto do modo de organização das pesquisas em torno de projetos individuais e coletivos (número de projetos, duração, participação discente etc.) quanto do modo de articulação dos projetos com as linhas de pesquisa (aderência, coerência, consistência); a criação de uma política de recredenciamento e descredenciamento docente, implementada no final de 2009; e a criação de uma nova política de distribuição de bolsas (com concessões anuais ao invés das antigas concessões por todo o período de duração da bolsa), que passou a considerar como critério, além da tradicional classificação no processo seletivo, também o desempenho acadêmico do estudante ao longo do ano anterior à solicitação da bolsa ? o novo modelo de distribuição de bolsas foi implementado no início de 2009. Cabe mencionar que o modelo atual, embora tributário dessa política criada em 2008-2009, é resultado de um desenvolvimento contínuo na direção de uma valorização cada vez maior da qualidade das atividades acadêmicas e da qualificação da produção intelectual dos discentes. Em 2020, como resultado dos trabalhos da Comissão de Autoavaliação, o modelo passará a incluir também um critério socioeconômico.

 

No início do triênio 2010-2012, os esforços empenhados na renovação das políticas institucionais do PPG-Letras, na qualificação de seus quadros e na ampliação do impacto de suas atividades de pesquisa e formação foram reconhecidos: na avaliação de 2010, o Programa obteve a nota 5 da CAPES, alcançando um grau de excelência que, ao longo dos 35 anos de história que o PPG-Letras então completava (1975-2010), vinha se tornando cada vez mais manifesto em seus indicadores. Motivados por esse reconhecimento, 2010 e 2011 foram anos de intensas discussões e de reavaliação tanto da estrutura e da dinâmica de organização do Programa quanto de seus horizontes de inserção nacional e internacional. Embora tivesse alcançado um estágio evidente de maturidade, a avaliação interna constatava, então, a necessidade de se otimizar o modo de articulação entre áreas de concentração, linhas de pesquisa e disciplinas. Disso resultou uma ampla reforma curricular, discutida ao longo dos dois primeiros anos do triênio e implementada em 2012, em que as linhas de pesquisa foram completamente redimensionadas (passando ao modelo hoje vigente, com 04 linhas na área de concentração em Estudos Linguísticos e 03 na área de concentração em Estudos Literários ? para o detalhamento da relação entre áreas, linhas e disciplinas), o elenco de disciplinas foi atualizado, o sistema de créditos foi adequado aos novos padrões vigentes e, adicionalmente, foram criados novos modos de representação no Colegiado do Programa (COPOL), reforçando a representação discente e rearticulando a representação docente a partir das novas linhas de pesquisa (ao invés da representação por departamentos ou áreas, como até então). Em 2010, com o objetivo de ampliar as ações de cooperação interinstitucional, de nucleação e de articulação interna da pesquisa dos docentes, o Programa criou uma política de incentivo à pesquisa em redes interinstitucionais, traduzida, àquela altura, na forma de um edital interno (com recursos captados junto à Fundação Araucária), que fomentava a organização de eventos nacionais fortemente articulados em torno das linhas de pesquisa então em pleno processo de redimensionamento. Cabe destacar, ainda, como ação importante de nucleação e ampliação da inserção nacional do PPG-Letras no triênio, a decisão de sediar na UFPR, entre 2009 e 2011, as diretorias de duas das maiores associações da área de Letras e Linguística (ABRALIN e ABRALIC), com a organização dos grandes eventos da área em 2010 e 2011: o XII Encontro da ABRALIC (2010), o XII Congresso Internacional da ABRALIC (2011) e o VII Congresso Internacional de Linguística (2011). Em 2011, tiveram início as tratativas com universidades francesas para o estabelecimento de dois novos programas de dupla-diplomação. Em 2012 foram assinados os acordos que criaram, na área de Estudos Literários, o Mestrado Bilateral em Estudos Lusófonos (UFPR/Université Lumière Lyon II) e, na área de Estudos Linguísticos, o Mestrado Bilateral em Francês como Língua Estrangeira ou Didática das Línguas e Engenharia Pedagógica Multimídia (UFPR/Université Grenoble 3 Stendhal), ampliando de modo decisivo a rede de cooperação internacional do PPG-Letras da UFPR.

 

O quadriênio 2013-2016, em que o PPG-Letras completou 40 anos de história (1975-2015), foi marcado pela consolidação de suas ações de internacionalização, com destaque às atividades de seus 03 programas de Mestrado Bilateral. Além das titulações resultantes dos 03 acordos (totalizando 24 somente entre 2013 e 2016), que atestam o sucesso dos respectivos programas de dupla-diplomação, os convênios também renderam, no quadriênio, várias ações de cooperação acadêmica entre os docentes das instituições envolvidas. Em 2016, o convênio bilateral com Grenoble foi renovado e, depois de sofrer reformulações motivadas pela nova estrutura de organização da universidade parceira, foi reformatado, em 2017-2018, como um Mestrado Bilateral em Didática das Línguas (UFPR/Université Grenoble-Alpes ? UGA). Entre as demais ações de internacionalização do Programa nesse quadriênio, cabe mencionar, também, a crescente participação de docentes e discentes em eventos acadêmicos, estágios de pós-doutorado e doutorados sanduíche no exterior. É importante observar que, ao longo dos anos, a quantidade de eventos de pequeno, médio e grande porte (regionais, nacionais e internacionais) promovidos pelo PPG-Letras foi crescendo juntamente com o Programa, mas foi apenas a partir do triênio 2010-2012 que começou a se desenhar mais nitidamente uma política de incentivo e fomento dessas ações, tendo em vista seu potencial de nucleação e seu impacto na visibilidade e na inserção do PPG-Letras. Aos poucos, o perfil dos eventos promovidos pelo Programa foi mudando, deixando de ser apenas o produto de iniciativas isoladas, para se tornar, cada vez mais, o resultado de um esforço de articulação interna (de um grupo de pesquisa ou laboratório, de um centro ou núcleo de estudos, de docentes e discentes de uma área ou linha de pesquisa) em cooperação com outras instituições. Foi exemplar, nesse sentido, a decisão da linha de pesquisa em Alemão como Língua Estrangeira de sediar em nosso Programa, entre 2012 e 2015, a diretoria da associação latino-americana de Germanística (ALEG), assumindo a organização de seu grande evento internacional, o XVI Congresso da Associação Latino-americana de Estudos Germanísticos, realizado em 2014. Outros eventos organizados no quadriênio resultaram dessa mesma política, entre os quais podemos destacar: 04 edições anuais do Colóquio do Centro de Estudos Portugueses (2013 a 2016), organizadas por esse Centro de Estudos, nucleado na UFPR desde 1967; 03 edições anuais do Simpósio de Literatura Negra Ibero-americana (2014 a 2016) e 01 curso ministrado por docente da Universidade de Santiago do Chile, organizados pelo Grupo de Pesquisa Literaturas Ibero-americanas (UFPR/CNPq); 03 edições do evento Traduzir, a poesia (2015 a 2017), organizadas pelo Laboratório de Teoria e Crítica de Tradução Literária (PPG-Letras/UFPR); 02 edições do Workshop Internacional de Pragmática (2014 e 2016), organizadas pelo Grupo de Pesquisa Linguagem & Cultura (UFPR/CNPq), que ensejaram a criação da Associação Brasileira de Pragmática (ABRAP), sediada na UFPR; o XI Workshop on Formal Linguistics, organizado por docentes e discentes da linha de pesquisa em Estudos Gramaticais, com a colaboração de pesquisadoras renomados do Brasil, Holanda, Israel e Canadá; o IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica, organizado por docentes da linha de Literatura, História e Crítica, que integraram a diretoria da Sociedade no biênio 2015-2016; e o III Colóquio O romance: história, crítica e teoria (2016), que ensejou a formalização, no mesmo ano, do Grupo de Pesquisa NeRO ? Núcleo de Estudos do Romance (UFPR/CNPq). Em 2014, no esforço de ampliação das ações de solidariedade regional do Programa, foi aprovada a proposta de Doutorado Interinstitucional (DINTER-CAPES) com a UTFPR de Campo Mourão, que começou a funcionar em março de 2015, contando com a participação remota de 07 docentes da área de Estudos Literários. Colhendo resultados de médio-longo prazo da política de qualificação docente implementada em 2007-2008, o Programa teve um aumento substancial de seu corpo docente no quadriênio, passando de 30 docentes permanentes, no final de 2012, para 47 ao final de 2016. Outro resultado expressivo dessa política de qualificação docente foi o aumento do número de saídas para pós-doutorado: se no triênio 2004-2006 afastaram-se em média 2,3 docentes por ano para pós-doutorado, essa média saltou para 3,3 no triênio 2010-2012, e alcançou os 5 afastamentos anuais entre 2013-2016. Com isso, ao final de 2016, 81,8% de todos os docentes haviam realizado ao menos um estágio pós-doutoral. O aumento significativo de bolsistas de produtividade do CNPq, saltando de 6 em 2009 para 11 em 2016, é um indicador de que o crescimento do corpo docente no quadriênio foi acompanhado, igualmente, por um incremento de sua qualificação. Também o número de pós-doutorandos acolhidos pelo Programa no quadriênio deu um salto substantivo em relação à média do triênio anterior, passando de uma média anual de 1,7 (entre 2010 e 2013) para 5,5 (entre 2013 e 2016), totalizando 22 pós-doutorandos no período, indicador importante do aumento da visibilidade do Programa. Cabe destacar, ainda, que esse quadriênio também foi marcado pelo número de premiações recebidas por discentes e docentes do Programa. Em 2016, 02 trabalhos de conclusão de nossos egressos foram agraciados com o Prêmio CAPES de Tese e com o Prêmio ANPOLL de Dissertação. E entre 2012 e 2016, a produção intelectual de docentes do Programa recebeu 09 dos prêmios de maior distinção no Brasil: foram 03 prêmios da Associação Paulista de Críticos de Arte ? APCA (tradução, em 2012, 2013 e 2014), 01 prêmio da Academia Brasileira de Letras (tradução, em 2013), 03 prêmios Jabuti (tradução, em 2013 e 2014, e projeto gráfico, em 2016), 01 Prêmio Paulo Rónai da Biblioteca Nacional (tradução, em 2015) e 01 Prêmio Paraná de Literatura (contos, em 2013).

 

O início do quadriênio 2017-2020 foi marcado pela comemoração dos 40 anos da primeira defesa do PPG-Letras e por sua 800ª titulação. Cabe destacar, portanto, que, se nos seus primeiros 30 anos de história (1977 a 2007) o Programa titulou 400 mestres e doutores, outros 400 foram titulados nos 10 anos seguintes (2007 a 2017), o que é um indicador significativo do crescimento e da consolidação do PPG-Letras, da amplitude de seus esforços de formação de pesquisadores da área de Letras e Linguística e do aumento de sua inserção e de sua força de nucleação nessa década ? em 2020, o Programa chegará à 1000ª titulação. Outro marco desse início de quadriênio foi o resultado da avaliação quadrienal 2013-2016, que conferiu ao PPG-Letras a nota 6, num gesto claro de reconhecimento dos esforços empenhados na construção da condição de excelência do Programa ao longo dos anos. Consequentemente, o Programa dedicou boa parte dos dois primeiros anos do quadriênio ao processo de adaptação ao novo regime do PROEX, com os respectivos impactos em sua estrutura administrativa, como a criação de uma Comissão Gestora e a reorganização de uma infraestrutura de secretaria capaz de assumir os novos encargos, especialmente os de ordem financeira. Em 2017, os acordos bilaterais com Lyon e com Leipzig foram renovados e o acordo bilateral com Grenoble foi ampliado, na forma de um programa de cotutela de doutorado. Os 03 mestrados bilaterais mantiveram-se em plena atividade, totalizando juntos, desde o início de suas vigências, 55 titulações-duplas (26 no quadriênio), com 18 dissertações em andamento. Da cooperação entre docentes das três universidades estrangeiras e do PPG-Letras resultou, ainda, uma série de ações no período. Também foi estabelecido, em 2017, um novo programa de cotutela de doutorado com a Universidade de Potsdam, na Alemanha, coroando o acordo de cooperação firmado com essa instituição desde 2012. Uma ação importante de nucleação e inserção (nacional e internacional) do quadriênio foi a decisão dos docentes do Programa, vinculados ao Centro de Estudos Portugueses, de sediar na UFPR, entre 2016 e 2017 (pela segunda vez, depois da gestão 2002-2003), a diretoria da Associação Brasileira de Professores de Literatura Portuguesa (ABRAPLIP), uma das mais antigas associações da área de Letras, organizando, em 2017, o XXVII Congresso Internacional da ABRAPLIP. Entre os vários eventos organizados nos três primeiros anos do quadriênio, em conformidade com a política de organização de eventos do Programa, cabe fazer alguns destaques. Do ano de 2017: o II Ciclo de Debates em Pesquisa Formalista (DePeFor 2017), organizado pelos alunos da linha de pesquisa em Estudos Gramaticais, em conjunto com alunos da graduação em Letras da UFPR; o Festival Literário Zoona II ? Américas transitivas, realizado em Curitiba e em Foz do Iguaçu e organizado por docentes da linha de pesquisa em Alteridade, Mobilidade e Tradução em cooperação com a UNILA; o IV Sincelpe ? Simpósio Internacional Celpe-Bras, organizado por docentes e discentes da linha de pesquisa em Linguagens, culturas e identidades em colaboração com o CELIN ? Centro de Línguas e Interculturalidade (UFPR); e o Colóquio Outras Margens: 50 anos sem Guimarães Rosa, organizado por docentes e discentes da área de concentração em Estudos Literários em colaboração com a Cinemateca da Fundação Cultural de Curitiba, marcando a efeméride da morte do autor. Do ano de 2018, destacamos: o 10º Congresso Brasileiro de Professores de Alemão (ABRAPA), organizado por docentes e discentes da linha de pesquisa em Alemão como Língua Estrangeira; o XII Workshop on Formal Linguistics, organizado por docentes e discentes da linha de pesquisa em Estudos Gramaticais, em colaboração com pesquisadores do Brasil, Haiti, França e Portugal; o I FICCLA ? Fórum Internacional de Cultura, Literatura e Linguística Aplicada, organizado pela linha de pesquisa em Linguagens, culturas e identidade, em colaboração com o NAP ? Núcleo de Assessoria Pedagógica (UFPR); e o IV Simpósio de Literatura Negra Ibero-americana, organizado pelo Grupo de Pesquisa Literaturas Ibero-americanas (UFPR/CNPq). E do ano de 2019, cabe destacar os seguintes eventos: o IV Seminário Nacional de Dramaturgia e Teatro: Teatro e Política, organizado pelos docentes e discentes da linha de pesquisa em Literatura e outras Linguagens ligados ao GT de Dramaturgia e Teatro da Anpoll, em colaboração com o PPG-Letras da UEM; o I Colóquio de Estudos Ecocríticos, organizado pelo GECO ? Grupo de Estudos Ecocríticos (UFPR), em cooperação com os programas de pós-graduação da UTFPr (Curitiba) e da UNILA (Foz do Iguaçu), no âmbito do Projeto Letras em Trânsito; a II Jornada de Estudos sobre Ficção Histórica, organizada pelo Grupo de Pesquisa de Estudos sobre ficção histórica no Brasil (UFPR/CNPq), em cooperação com os programas de pós-graduação da UEPG (Ponta Grossa) e da UNILA (Foz do Iguaçu), no âmbito do Projeto Letras em Trânsito; o evento Tradução com Poesia ? 90 anos de Haroldo de Campos, organizado pelo Laboratório de Teoria e Crítica de Tradução Literária (PPG-Letras/UFPR); e o Colóquio trans-posições, organizado por docentes da linha de pesquisa em Alteridade, Mobilidade e Tradução em colaboração com o Species ? Núcleo de Antropologia Especulativa e com o PPG de Filosofia (UFPR). Alguns desses eventos já resultam do Projeto Letras em Trânsito, uma iniciativa do PPG-Letras, proposta em julho de 2019, na forma de fomento à realização de atividades acadêmicas itinerantes, em colaboração com Programas do interior do Estado do Paraná e de Santa Catarina, com o objetivo de ampliar, local e regionalmente, a rede de cooperação acadêmica do Programa, dando continuidade às ações de solidariedade e de inserção regional. Em 2019 foi concluído o programa de Doutorado Interinstitucional (DINTER-CAPES) com a UTFPR de Campo Mourão. Iniciado em 2015, o DINTER-UTFPR contou com a participação remota de 07 docentes da área de Estudos Literários do PPG-Letras e titulou 04 doutores em Letras. A avaliação interna anual de 2017 constatou que o grande crescimento do corpo docente no quadriênio anterior, consolidando o Programa com uma média de 53,8 docentes (dos quais 47,3 permanentes, em média), havia produzido um descompasso entre o número de docentes e de discentes do PPG-Letras, dado que o número de inscritos nos processos seletivos anuais, a despeito de um relativo aumento de vagas discentes desde 2015, mantinha-se praticamente o mesmo. Duas ações de enfrentamento dessa questão merecem destaque: a implantação, em 2018, de uma política de credenciamento docente, que passou a pautar os novos credenciamentos segundo demandas acadêmicas específicas e estratégicas das linhas de pesquisa; e o redimensionamento do modelo de processo seletivo, que, a despeito de um esforço contínuo de aprimoramento ao longo dos anos, ainda mantinha o mesmo formato em 4 etapas (prova, projeto, currículo e entrevista), sendo duas delas presenciais. Em 2019, rompendo com esse formato tradicional e reconfigurando totalmente o processo interno de avaliação de projetos (às cegas, por três pareceristas diferentes), o processo seletivo passou a se organizar em duas etapas (projeto e entrevista), sendo apenas uma presencial. Como resultado, o processo seletivo teve um aumento de 60% de candidatos inscritos em 2019 (273 candidatos, 173 para o mestrado, 110 para o doutorado) em relação à média histórica das duas décadas anteriores (170 candidatos, 110 para o mestrado, 60 para o doutorado). O aumento de 44% no número de candidatos aprovados (de uma média de 80 em anos anteriores, para 115 em 2019) mostra que o aumento da quantidade de inscritos foi acompanhado por um relativo aumento da qualidade dos candidatos. Outro aspecto positivo do novo modelo de seleção, que abriu a possibilidade de fazer a etapa presencial à distância, foi a ampliação do alcance do processo seletivo, incluindo um número mais expressivo de candidatos de todas as regiões do Brasil e também do exterior (Alemanha, França, EUA, Bolívia, Guiné-Bissau etc.). Outra questão enfrentada entre 2017 e 2019, identificada na avaliação quadrienal anterior, foi a questão do currículo. Das 164 disciplinas que constavam no relatório anterior, chegamos a um conjunto final de 42 (21 em cada área de concentração), tornando possível a oferta integral do quadro de disciplinas ao longo de um quadriênio. Destaque-se, ainda, o aumento contínuo de bolsistas de produtividade do CNPq no período, passando de 11 em 2016 para 13 em 2019 (e 16 em 2020), o que é indicador importante da constante e crescente qualificação do quadro docente. O mesmo se observa no número de saídas para pós-doutorado. Se no triênio 2010-2012 afastavam-se em média 3,3 docentes anualmente para pós-doutorado, essa média saltaria para 5, entre 2013-2016, e alcançaria os 5,3 afastamentos anuais somente nos três primeiros anos deste quadriênio. Portanto, como resultado expressivo da continuidade de uma política de qualificação do corpo docente, o Programa saltou dos 81,8% de docentes com ao menos um pós-doutorado em 2016 para 91,7% dos docentes permanentes (44 de 48) com ao menos um pós-doutorado até o final de 2020. O número de acolhimentos de pós-doutorandos nos três primeiros anos do quadriênio manteve, igualmente, um ritmo de crescimento em relação à média do quadriênio anterior, passando de uma média anual de 5,5 (entre 2013 e 2016) para 12,3 (entre 2017 e 2019) e totalizando 37 pós-doutorandos antes mesmo de concluído o quadriênio, o que é um indicador inequívoco da visibilidade e da força de nucleação cada vez maiores do Programa. Cabe lembrar ainda do número de prêmios recebidos por discentes e docentes do Programa, que se mantém um indicador de destaque da qualidade, do impacto e da visibilidade da produção intelectual do Programa. Em 2019, 03 trabalhos de conclusão de nossos egressos receberam distinções de mérito: no Brasil, o Prêmio Dirce Côrtes Riedel ? ABRALIC de Tese (menção honrosa), e no exterior, o prêmio da Fundación Maria Paula Alonso de Ruiz Martinez (Espanha, 2019), por dissertação defendida em 2018, e o Prémio Científico Mário Quartin Graça (Portugal, 2019), por tese defendida em 2018. A produção intelectual de docentes do Programa, entre 2017 e 2019, recebeu 03 prêmios de destaque no Brasil: 01 prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte ? APCA (tradução, em 2017), 01 Prêmio Paulo Rónai da Biblioteca Nacional (tradução, em 2017) e 01 Prêmio Machado de Assis da Biblioteca Nacional (romance, em 2019).

Disponibilizado via SIGA UFPR

Universidade Federal do Paraná
Programa de Pós-Graduação em Letras
Rua General Carneiro, 460, 10º andar
Centro - CURITIBA
Telefone:(41) 3360-5102
E-mail: ppgglet@gmail.com

Universidade Federal do Paraná
Programa de Pós-Graduação em Letras
Rua General Carneiro, 460, 10º andar
Centro - CURITIBA
Telefone:(41) 3360-5102
E-mail: ppgglet@gmail.com

Imagem logomarca da UFPR

©2020 - Universidade Federal do Paraná - Programa de Pós-Graduação em Letras

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação