PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO
QUÍMICA

Menu

Historical Context


1. CONTEXTO HISTÓRICO DA CRIAÇÃO DO PROGRAMA

O Mestrado em Química da UFPR foi autorizado a funcionar em 1991 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), tendo sido implantado efetivamente em 1992 com apenas duas áreas de concentração: Química Inorgânica e Química Orgânica. A recomendação pela CAPES ocorreu em 1995, após a defesa do primeiro conjunto de dissertações. Em março de 1999, na sua 60ª reunião, o Colegiado do Programa aprovou um projeto de expansão, baseado na criação dos novos cursos de Doutorado e de Mestrado Profissional, bem como na expansão das áreas de concentração do Mestrado Acadêmico para incluir a Química Analítica e a Físico-Química. Nesse novo formato, o Programa de Pós-graduação em Química da UFPR (doravante PPGQ/UFPR), foi autorizado a funcionar pelo CEPE/UFPR a partir de abril do mesmo ano. A Resolução número 46/99 do CEPE, de 16/04/1999, aprovou o elenco expandido de disciplinas do Programa.

2. EVOLUÇÃO DO CONCEITO (NOTA CAPES) DO PROGRAMA

Em setembro de 1999, o Conselho Técnico-Científico (CTC) da CAPES recomendou o PPGQ/UFPR nos seus dois níveis: Mestrado (modalidades Acadêmico e Profissional) e Doutorado, ambos nas quatro áreas de concentração da Química: Química Inorgânica, Química Orgânica, Química Analítica e Físico-Química. Naquela ocasião, a avaliação de desempenho realizada pela Agência conferiu ao Programa a nota 4 que, no triênio subsequente (1998-2000), foi elevada para 5. 

Na avaliação trienal 2001-2003, o CTC da CAPES determinou a queda da nota do PPGQ/UFPR de 5 para 4. Apesar do caráter desfavorável desta situação, o PPGQ/UFPR empreendeu, ao longo do triênio 2004-2006, um esforço significativo de reestruturação e crescimento, sempre pautado pelas recomendações da CAPES nos diversos documentos associados ao processo de avaliação continuada. Fruto deste esforço concentrado cujos resultados foram registrados no relatório final do referido triênio, o CTC reconduziu o PPGQ/UFPR à nota 5, que foi mantida por ocasião da avaliação trienal 2007-2009. Após o período 2010-2012, a CAPES conferiu ao Programa de Pós-graduação em Química da Universidade Federal do Paraná a nota 6. Esta evolução positiva veio consolidar os esforços despendidos pelos corpos docente e discente para melhorar a pesquisa e o ensino no nosso programa de pós-graduação.  

Uma parte dos indicadores de desempenho do PPGQ/UFPR relativos aos triênios anteriores ao período de avaliação atual (2013-2016) será reproduzida na subseção seguinte do presente documento. Isto será feito para contextualizar a análise da situação atual do Programa e de suas perspectivas futuras de crescimento e expansão. 

3. EVOLUÇÃO DOS INDICADORES DO PROGRAMA 

A partir de 1999, ano da expansão para o doutorado, o PPGQ/UFPR experimentou um crescimento qualitativo considerável, que foi acompanhado por um desempenho positivo em vários indicadores:

(3.a) Aumento no número total de docentes permanentes (DP) no programa a partir de 2011, fruto das novas contratações efetuadas no DQUI/UFPR. 
Em 2013 e 2014 o número total de docentes do programa foi igual a 37, composto por 6 colaboradores e 31 permanentes. Este número (31 DP) corresponde a um aumento de 16,5% em relação à média do triênio 2007-2009 (26,6 DP) e é o maior valor alcançado pelo PPGQ/UFPR desde a sua criação. É importante ressaltar que, dos 37 docentes do Programa, 09 (nove) foram contratados pelo DQUI/UFPR a partir de 2009, de acordo com o listado na seção de Informações Complementares deste relatório e correspondem, portanto, a praticamente um quarto (24%) do corpo docente total do PPGQ: Izabel Cristina Riegel Vidotti Miyata (2009); Claudiney Soares Cordeiro (2009); Giovana Gioppo Nunes (2009); Noemi Nagata (2009); Marcio Eduardo Vidotti Miyata (2010); Rilton Alves de Freitas (2011); Leandro Piovan (2012), Elisa Souza Orth (2012) e Bruno José Gonçalves da Silva (2013). Destes, três professores foram classificados como Jovens Docentes Permanentes no triênio 2010-2012, por terem defendido o doutorado em 2006 ou ano posterior e por já estarem enquadrados da categoria de DP do Programa: Elisa S. Orth, Leandro Piovan e Marcio Henrique V. Miyata. Já em 2013 e 2014 somente os professores Elisa Orth e Leandro Piovan permanecem como JDPs, uma vez que o ano limite para esta classificação (ano de término do doutorado) passou a ser 2009 no presente quadriênio de avaliação. Este número poderá mudar em vista da contratação de duas novas professoras pelo DQUI/UFPR no segundo semestre de 2014, as quais se preparam para solicitar o credenciamento no Programa.

(3.b) Aumento no total de alunos, de apenas 23 mestrandos em 1999 para um total de 162 discentes em 2013 (68 mestrandos e 94 doutorandos) e de 185 discentes em dezembro/2014 (69 mestrandos e 116 doutorandos), em todos os casos incluindo alunos recém admitidos, titulados e remanescentes de cada ano. Comparando-se o último ano do triênio 2007-2009 (102 discentes, sendo 60 mestrandos e 42 doutorandos) com os dados acima de 2013 e 2014, observa-se uma mudança clara no perfil do Programa em relação ao corpo discente, com um aumento muito significativo do número de doutorandos em relação ao de mestrandos.  Observa-se também um aumento superior a 80% no número total de discentes de 2009 a 2014. Tal situação parece ser, por um lado, um reflexo da melhoria dos indicadores do Programa, do aumento de sua visibilidade externa e da forte política de divulgação regional que foi empreendida pela Coordenação nestes últimos anos, e, por outro, da criação de outros cursos de Mestrado em Química nas universidades públicas do Estado do Paraná, o que diminui a demanda pelo mestrado na UFPR. Parte destes resultados também pode ser atribuída à entrada do PPGQ/UFPR no Programa REUNI, que permitiu um aumento considerável na oferta de bolsas de mestrado e principalmente de doutorado, e à concessão de cotas plenas de bolsas de doutorado pela CAPES como contrapartida do PDSE (Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior) ao envio de doutorandos do PPGQ para estágios sanduíche no exterior. 

(3.c) Aumento considerável no número de mestres e doutores egressos do Programa em relação ao total (296 titulados) até dezembro/2012 (217 dissertações e 79 teses defendidas). Em 2013 o PPGQ/UFPR atingiu a marca global de 327 titulados, que subiu para 372 (258 mestres e 114 doutores) ao final de 2014. Ou seja, em dois anos o aumento no número de egressos foi próximo a 26%. Comparando-se o número de médio de defesas de mestrado no biênio 2013-2014 (22) com a média do triênio 2007-2009 (15,3 defesas/ano), observa-se também um incremento significativo. Já no caso das defesas de tese, os números de 2013-2014 (média de 17,5 teses defendidas por ano) são novamente bem maiores do que a média do triênio 2007-2009 (11,3 defesas/ano), refletindo claramente o aumento do fluxo discente também no doutorado.

(3.d) Diminuição gradativa no tempo médio de titulação do mestrado, com estabilização mais recente num patamar bastante desejável: de 30,5 meses em 1999 para 28 na média do triênio 2001-2003; 26,5 meses no triênio 2004-2006 e 25 meses nos triênios 2007-2009 e 2010-2012. O mesmo valor médio (25 meses) foi atingido no biênio 2013-2014. Quanto ao doutorado, o tempo médio de titulação, de 47 e 48 meses nos triênios 2004-2006 e 2007-2009 respectivamente, aumentou marginalmente para 49 meses na média do triênio 2010-2012 e retornou à média de 48 meses em 2013-2014. Estes cálculos incluem alunos bolsistas e não-bolsistas e refletem a eficiência na formação de mestres e doutores pelo Programa.

(3.e) Evolução positiva no número de titulados por docente permanente: 
– média do triênio 2001-2003: 0,36 
– média do triênio 2004-2006: 0,94
– triênio 2007-2009: 1,03
– triênio 2010-2012: 0,98 
– ano de 2013: 1,06
– ano de 2014: 1,48 (média do biênio 2013-14 = 1,27).
Por consistência, em todos os cálculos foi considerado o número total de docentes permanentes sem descontar os JDPs. Estes resultados refletem o aumento na atratividade do Programa, traduzido pelo crescimento do corpo discente, bem como o sucesso das iniciativas de acompanhamento do desempenho dos alunos nos seus projetos de dissertação e tese. Os resultados do biênio 2013-2014 são ainda mais expressivos quando se considera o aumento no número de DP do Programa a partir de 2011.

(3.f) Evolução bastante positiva da produção científica dos docentes do Programa, cuja média anual cresceu de 35 artigos completos em periódicos especializados no triênio 1998-2000 (105 no total do triênio) para 51 no triênio 2001-2003 (153 no total), 68 no triênio 2004-2006 (205 no total), 91 no triênio 2007-2009 (274 no total) e 108 no triênio 2010-2012 (324 no total). A média de 2013-2104, por sua vez, subiu para 125 artigos publicados/ano. Cabe ressaltar que esta expansão quantitativa também foi acompanhada por uma nítida melhoria na classificação Qualis dos artigos publicados.

(3.g) A produção bibliográfica do PPGQ/UFPR em 2013-2014 teve um aumento considerável na contribuição dos estratos A1 e A2 em relação à média do triênio passado. Para o período de 2010 a 2012, estes números se apresentaram distribuídos da seguinte forma: 10,5% em A1; 21% em A2; 20,4% em B1; 24% em B2; 8% em B3; 6% em B4; 6,5% em B5 e 3,4% em C. 
Já na média de 2013-2014, os percentuais passam a 13% em A1; 31% em A2; 19% em B1; 14% em B2; 7% em B3 e também em B4; 2,4% em B5 e 3,6% no estrato C. Esta estratificação foi baseada no QUALIS-Química disponível na página da CAPES em março de 2015. Observa-se, de uma maneira geral, um acréscimo significativo de publicações nos estratos superiores do Qualis Química nos últimos dois anos, particularmente no estrato A2.

(3.h) Expansão do número de artigos publicados pelos docentes permanentes do Programa em periódicos dos estratos A1+A2 e A1+A2+B1. A participação de discentes autores na produção bibliográfica também apresentou uma melhora bastante significativa em relação aos triênios anteriores:

ESTRATOS A1+A2:
– média do triênio 2007-2009: 11% do total de artigos
– média do triênio 2010-2012: 31,5% 
– ano de 2013: 49,6%
– ano de 2014: 38,7% 
– média do biênio 2013-14: 43,6% do total de artigos foram publicados nos estratos A1+A2 (Fonte: QUALIS-Química disponível em março/2015).

ESTRATOS A1+A2+B1:
– média do triênio 2007-2009: 46% do total de artigos
– média do triênio 2010-2012: 51,9% do total de artigos
– ano de 2013: 70,8%
– ano de 2014: 56,2% 
– média do biênio 2013-14: 62,8% do total de artigos foram publicados nos estratos A1+A2+B1.

PARTICIPAÇÃO DISCENTE (+EGRESSOS 3 ANOS) NO TOTAL DE ARTIGOS PUBLICADOS:
– média do triênio 2007-2009: 56,7% do total de artigos foram publicados com participação de discentes+egressos
– média do triênio 2010-2012: 59,5% 
– ano de 2013: 62,8%
– ano de 2014: 65,0% 
– média do biênio 2013-14: 64,0% do total de artigos foram publicados com participação de discentes+egressos (3 anos).

PRODUÇÃO QUALIFICADA DO PROGRAMA:
– Número de artigos qualificados totais (AQT), na média do triênio 2010-2012: 17,2  
– ano de 2013: 14,1
– ano de 2014: 15,0 
– média do biênio 2013-14: 14,6 AQT/DP, publicados com participação de discentes+egressos (3 anos). Cabe ressaltar que, neste cálculo, foi utilizado o número total de docentes permanentes, sem descontar os JDPs.

(3.i) O percentual de bolsistas de Produtividade em Pesquisa (PQ) e em Desenvolvimento Tecnológico e Industrial (DT) no quadro permanente do PPGQ subiu de 39% no triênio 2001-2003 para 54% e 60% nos triênios subsequentes (2004-2006 e 2007-2009, respectivamente).  Em 2011 este indicador chegou a 65,5%, o que reflete não só a qualidade da produção científica, mas também a melhoria das condições de trabalho no DQUI/UFPR nestes anos. Em dezembro de 2014, 27 dos 31 docentes permanentes (87%) eram bolsistas de produtividade do CNPq ou da Fundação Araucária (FAP do Paraná), uma consolidação do desempenho do triênio 2010-2012 (84%). Este resultado se relaciona fortemente com a evolução do Índice H2 do Programa, que subiu de 12 no triênio 2010-2012 para 14 em 2014. O detalhamento destas informações também é apresentado na seção “Outras Informações”, ao final deste relatório.

(3.j) O percentual de docentes permanentes do Programa com pós-doutorado no país ou no exterior correspondeu a 80,6% (25 docentes permanentes) no ano de 2013, caracterizando um aumento de 20,3 pontos percentuais em relação à média do triênio 2007-2009 (60,3%). Em 2014 mais um DP (Prof. Márcio Peres de Araujo) concluiu o pós-doutoramento, enquanto o Prof. Rilton Alves de Freitas iniciou o seu estágio neste nível, que será concluído em julho de 2015. Tais dados refletem a busca por uma melhor capacitação e aperfeiçoamento de nossos docentes após a conclusão do doutorado, fato essencial para a definição de linhas de pesquisa baseadas no estado-da-arte de suas respectivas áreas de atuação.

(3.k) Todos os docentes permanentes do Programa, com exceção dos que se encontram na categoria de professor sênior (professores Antonio Salvio Mangrich, Leni Campos Akcelrud e Maria Rita Sierakowski), atuaram no ensino de graduação no período de 2013 e 2014, e 100% deles, incluindo estes últimos, orientaram projetos de mestrado e/ou doutorado no mesmo período. Além disso, todos os 05 (cinco) docentes colaboradores do Programa orientaram alunos de mestrado e/ou doutorado no biênio. O mesmo pode ser dito de todos os 09 (nove) jovens professores contratados a partir de 2009 (ver detalhamento na seção de Informações Complementares), sendo que 06 (seis) destes últimos já tinham orientado uma ou mais dissertações de mestrado defendidas até dezembro/2014. 

Com base nestes indicadores, é possível constatar que o PPGQ/UFPR vem experimentando um crescimento consistente ao longo destes últimos anos, baseado na expansão e na constante capacitação dos seus corpos docente e discente. A maioria dos indicadores absolutos de desempenho calculados para os anos de 2013-2014 apresentaram uma melhora significativa em relação ao triênio 2010-2012 e atualmente a administração e a comunidade do Programa compartilham a expectativa de que os anos de 2015 e 2016 sejam ainda mais produtivos.

4. MOMENTO ATUAL DO PROGRAMA

Da análise dos indicadores relativos ao número de alunos do PPGQ/UFPR percebe-se uma rápida expansão do corpo discente ocorrida de 1999 a 2003, que sofreu uma desaceleração entre 2007-2009 e que foi claramente revertida nos últimos cinco anos. Esta desaceleração foi relacionada à carência de bolsas de estudo para os alunos ingressantes naquela ocasião, fato que foi inicialmente revertido com a adesão do PPGQ/UFPR ao Programa REUNI. Isto aumentou significativamente o número de bolsas de estudo destinadas aos discentes, tendo como contrapartida a demanda por uma assistência estudantil às disciplinas vinculadas à graduação (104 e 208 horas semestrais para alunos de mestrado e doutorado, respectivamente). Além destas, o programa tem sido contemplado, nos últimos anos, com 01 ou 02 cotas de bolsas de mestrado e 02 de doutorado pela Fundação Araucária (a FAP do Estado do Paraná), para as quais são sistematicamente indicados novos alunos em substituição aos titulados. O Programa conta ainda com 06 cotas de bolsas de mestrado e 04 de doutorado do CNPq e tem recebido, com o apoio da Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação da UFPR, um número significativo de bolsas de doutorado como contrapartida do envio de estudantes para estágios de doutorado sanduíche no exterior por períodos iguais ou superiores a nove meses (Programa PDSE/CAPES). Como exemplo, pode-se observar na seção Internacionalização deste relatório que em 2013 e 2014 o PPGQ/UFPR contou respectivamente com 17 e 18 estudantes de doutorado em estágio sanduíche em instituições estrangeiras de alto nível científico, o que resultou no recebimento das novas cotas de bolsas de doutorado.

Em consequência destas concessões, no momento atual (abril/2015) todos os doutorandos que demonstraram interesse por bolsas de estudo, incluindo os ingressantes do primeiro semestre de 2015, foram contemplados com bolsa e estão recebendo este benefício. Os impactos desta nova realidade já se fazem sentir no Programa, não só pela recuperação e pelo aumento crescente do número de discentes, mas também pela possibilidade de mantermos nossos melhores alunos no Programa, principalmente aqueles que terminam o mestrado e ingressam sequencialmente no doutorado. A falta de bolsas nos anos anteriores levava ao êxodo forçado destes alunos para outros PPGs; esperamos que estes antigos problemas relacionados à falta de bolsas não voltem a limitar o crescimento do PPGQ/UFPR. 

Em resumo, o Programa de Pós-graduação em Química da UFPR vem experimentando um crescimento contínuo e consistente, o que caracteriza um momento atual bastante positivo: número adequado de bolsas, particularmente no doutorado; aumento no financiamento aos grupos de pesquisa; aumento significativo no número de docentes permanentes – alavancado principalmente pela incorporação dos professores recém-contratados pelo Departamento de Química; aumento no número de discentes; aumento no número total de publicações e melhoria na sua qualidade. Neste contexto de aprimoramento, cabe ressaltar que o PPGQ/UFPR está bastante distante da acomodação e que seus pesquisadores, tanto estudantes quanto docentes, têm plena consciência da necessidade da consolidação destes indicadores e da melhoria da qualidade da formação discente no Programa.

Disponibilizado via SIGA UFPR

Universidade Federal do Paraná
QUÍMICA
CENTRO POLITÉCNICO
Jardim das Américas - CURITIBA
Telefone:(41) 3361-3006
E-mail: cpgquim@ufpr.br

Universidade Federal do Paraná
QUÍMICA
CENTRO POLITÉCNICO
Jardim das Américas - CURITIBA
Telefone:(41) 3361-3006
E-mail: cpgquim@ufpr.br

Imagem logomarca da UFPR

©2023 - Universidade Federal do Paraná - QUÍMICA

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação